Federação diz que inspeções são “ataque severo” à pesca profissional

 

A Federação das Pescas dos Açores (FPA) considera que as fiscalizações realizadas pela Inspeção Regional das Pescas (IRP) em 2017 foram um “ataque severo” à pesca profissional, quando compara o seu número com o das ações inspetivas efetuadas a embarcações de pesca lúdica.

Em comunicado enviado à comunicação social, a federação queixa-se de que apenas “uma embarcação de pesca lúdica em cada quatro de pesca profissional” foi fiscalizada pela IRP durante o ano passado.

A FPA está, portanto, “indignada” pelo facto de, das 1638 inspeções realizadas, 66 por cento terem incidido sobre a pesca profissional, contrastando com as dirigidas à pesca lúdica e comercialização de pescado, que se fixaram nos 16 e 18 por cento, respetivamente.

No documento, assinado pelo presidente Gualberto Rita, aquela estrutura federativa lembra que “existem três vezes mais embarcações” de pesca lúdica em atividade, por comparação às que se dedicam à pesca profissional, e advoga que a “pesca ilegal”  por elas praticada “é um problema cada vez mais grave, com fortes implicações no rendimento da pesca”.

Diz a federação que “as autoridades têm conhecimento de que existem evidências de que este problema tem aumentado, com impactos fortes sobretudo na economia das ilhas mais pequenas, onde a comercialização do pescado ilegal facilmente satisfaz o mercado da ilha, competindo com a pesca profissional”.

Asseverando que não vai permitir que as fiscalizações da IRP “recaiam sempre sobre os mesmos”, a FPA faz saber que “vai solicitar uma reunião de urgência com o secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia”, Gui Menezes.

Fonte: Açoriano Oriental

 
 
 

1 Comentário

  1. Bruno Raposo diz:

    Parabéns pela tomada de posição face a esse grave problema.
    Conheço casos de pescadores lúdicos que vão todos os dias para mar se o tempo estiver em condições, apanham peixe, vendem o peixe. Fogem aos impostos, não têm um décimo das obrigações dos pescadores profissionais e estão ilegais em muita coisa.

 
 

Deixe um comentário