A equação da sardinha

 

A equação que rege a pesca da sardinha é uma equação maldita.

Se pescarmos mais sardinha melhoramos os rendimentos do setor e promovemos o emprego no imediato. No entanto, aumentamos o risco de extinção da espécie, que é um risco real. Por outro lado, um longo defeso da pesca da sardinha coloca em risco a sustentabilidade financeira de todos os atores envolvidos na captura da espécie.

A equação complica-se quando consideramos a situação precária que enfrentam os pescadores durante o período de defeso, sem um estatuto laboral adaptado à particularidade da profissão. Depois de tanto latim sobre a economia do mar, os pescadores continuam a ser tratados como trabalhadores de terceira.

Apesar de a sardinha estar sujeita a defeso biológico desde o início do ano, os sindicatos de pescadores tinham sugerido a sua prolongação até final de abril, retomando a pesca no período em que a sardinha tem melhor qualidade e é mais rentável. Surpreendentemente, o Ministério do Mar decidiu permitir já em março a captura da espécie, embora esteja sujeita a limites quantitativos diários.

Esta decisão é ainda menos compreensível quando, até à data, a causa da redução do stock de sardinha não foi inteiramente compreendida pela ciência e quando apenas em julho serão conhecidos os resultados da avaliação aos stocks de sardinha realizados pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Fonte: Rui Curado Silva / Diário as Beiras

 
 
 

0 Comentários

Pode ser o primeiro a deixar um comentário.

 
 

Deixe um comentário